13.7.09

Photobucket

O desamor, pela minha experiência e observância - pelas minhas anotações num caderninho palerma que comprei numa loja de produtos étnicos -, começa por ser uma massa informe, cuja forma final, o potencial desamado pressente, mas não aceita; e vai-lhe tocando, com trejeitos de escultor, na esperança de a desviar daí para outra coisa qualquer - assim como uma jarrinha inofensiva ou um bibelô murcho. O tempo não ajuda porque coze este tipo de massas, contribuindo para a sua solidificação. Além do mais - isto segundo a minha experiência, a minha observância pessoal e as minhas anotações no caderninho palerma, claro, claro: longe de mim querer estar para aqui a ditar leis sobre o assunto -, a massa do desamor tem uma filha-da-puta de uma espécie de memória intrínseca da forma definitiva que deve tomar, que a faz caminhar para ela com tanta convicção, que o desamado, que ainda não o é, não se livrará de o ser, por mais que a tente moldar com mãos subtis ou, num estádio mais avançado de solidificação, desbastar à martelada.

Uma história de desamor treze vezes, António Gregório
Imagem: Kevin Van Aelst

5 comentários:

Vanessa disse...

fónix! que soco mais bem dado! este blog é um poço de coisas lindas!

beijo beijo*

Filipa Júlio disse...

genial!
a sério, mesmo genial!

menina tóxica disse...

vanessa, assim deixas uma polva envergonhada. a culpa é de quem escreve coisas bonitas :)*

filipa :))*

calamity disse...

vou roubar

:)

menina tóxica disse...

sim :))