1.3.08



de noite vê-se melhor a essência mineral do mundo. escutem.

carlos de oliveira

* palavras apanhadas no ar da dois, no sobre o lado esquerdo, de margarida gil


imagem: piratedollie

6 comentários:

Andreia disse...

d-_-b
estou pronta*

s. disse...

não fazia ideia que iam passar um documentário sobre o carlos. passei o verão a ler a sua obra. do muito que ficou o que mais me marcou, pela sua actualidade, foi esta passagem do aprendiz de feiticeiro:

dizem em volta alta, não muito alta: que porcaria, que nojo de sociedade, e em voz baixa, baixíssima: ora, o que é preciso é «triunfar». esta consciência elástica lembra o chewing-gum e pega-se fatalmente à esquerda e à direita. por mais dez réis de propaganda ou al contado (também faz jeito). por ninharias. e no entanto a dignidade cultiva-se como a beterraba ou as abóboras. semeando-a, adubando-a, colhendo-a na altura própria. muito rústico? está bem, arranja-se outra coisa. citadina. a dignidade, desenvolve-a uma ginástica vigilante e diária, que requer apenas paciência, atenção, vontade. com anos de exercício torna-se instintiva, uma espécie de segunda natureza. pouco maleável (rentável) na prática social mas esse defeito compensa-o largamente a tranquilidade interior (moral) que permite o crescimento livre de certa intranquilidade (imaginativa, criadora), ponto de partida para toda a obra literária alguns furos acima das «necessidades do mercado».

Vanessa disse...

também vi. :)

lebredoarrozal disse...

carlos de oliveira é simplesmente belo.
um dos textos da minha vida foi escrito por ele:)

h. aires disse...

insónias...insónias :)

menina tóxica disse...

andreia, e então? já escutaste? ;)*

s., obrigada pelas palavras do senhor de oliveira. actuais, sem dúvida alguma.
ainda não li muitas coisas dele, mas para lá caminho :)

vanessa, não consegui ver todo todo, mas gostei do que consehui ver (e escutar) ;)

menina lebre, tenho mesmo de conhecer melhor as palavras dele :)

h. aires, :) têm dado bons resultados, as insónias.